A força das HealthTech brasileiras e o potencial para a primeira Unicórnio do setor - Valore Brasil
loader image

0800 742 4210

ENG |

POR

A força das HealthTech brasileiras e o potencial para a primeira Unicórnio do setor

Em 2021 o segmento de healthtech captou US$ 344,3 mi em investimentos

Após passarmos por uma pandemia, que parece caminhar para o final, a necessidade em investir em tecnologia e inovação para a área da saúde se demonstrou necessária. De acordo com o relatório do Distrito, o Brasil tem mais de 700 healthtechs registradas e o número deve crescer ainda mais nos próximos anos.

 

Quando olhamos a distribuição dessas empresas a maior fatia está concentrada em soluções para a Gestão e Prontuários Eletrônicos, com 25% das startups, seguidas por Acesso da Informação (16,7%) e Marketplace (12,6%). As healthtechs de Telemedicina somam 11,8%, número que tende a aumentar com a regulamentação do serviço publicado pelo Conselho Federal de Medicina em 20 de abril de 2022, temos ainda as startups voltadas para as áreas de Farmacêutica e Diagnóstico (10%).

 

A maior concentração dessas empresas está na região sudeste do Brasil, lideradas por São Paulo com 44% das healtechs – aqui entra inclusive a iClinic, empresa de software para sistema para gestão de clínicas, telemedicina e agendamento de consultas, que foi vendida por R$ 182,7 milhões para Afya em 2020 -, Minas Gerais, Rio de Janeiro, com 10,4% e 9,1% respectivamente, o primeiro estado fora do sudeste é Rio Grande do Sul com 8,9%. Na região Norte, Manaus concentra apenas 0,4% do montante.

 

Em 2021, as startups brasileiras de saúde captaram US$ 344,3 milhões, um crescimento de 329%, entre as rodadas que se destacaram a Alice – startup de gestão de saúde recebeu, em uma rodada série C, o aporte de US$ 127 milhões, o maior da América Latina. O investimento contou com a participação da SoftBank, Allen & Company LLC, G Squared, Globo Ventures e StepStone.

 

Além de gestão de saúde, os investidores também têm voltado a atenção para os serviços de saúde da mulher. Segundo uma pesquisa da Frost & Sullivan, esse nicho de mercado já está avaliado em US$ 5,8 bilhões, e a previsão é que movimente US$ 50 bilhões até 2025 em todo o mundo. Hoje há cerca de 23 healthtech que oferecem serviço para o público feminino, a maioria em soluções fitness e bem-estar.

 

Outro fato que parece ser uma tendencia é o crescimento de aceleradoras e incubadoras com maior foco na área de saúde, como é o caso do SUPERA Parque da USP Ribeirão Preto e da aceleradora Health me Up da QuikDev.

 

Mas e quais são as tendências para os próximos anos?
A primeira tendência é desenvolver uma infraestrutura necessária para que todos os diferentes sistemas se comuniquem, agilizando os processos e fazendo com que os pacientes sejam atendidos nos mais diferentes consultórios, seja público ou privado, e seu histórico possa ser acessado. Esse desafio só será possível com tecnologias de empresas que tenham soluções em interoperabilidade.

 

Em segundo lugar temos a Segurança de Dados na Saúde. Essa preocupação sempre existiu por parte do Conselho Federal de Medicina (CFM), agora está somada à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Dessa forma, é que as startups de saúde busquem soluções capazes de proteger ainda mais o paciente.

 

Outra tendência são os Sistemas de Gestão de Saúde, o segmento que lidera as empresas do setor, trazem a informatização das clínicas e consultórios, dando adeus às agendas de papel e planilhas de excel, com o uso de softwares de gestão que atendam às necessidades específicas de cada cliente.

 

Além disso, aumentou o volume de startups focadas no diagnóstico e tratamento. Um dos segmentos com crescimento durante a pandemia foi para identificação de riscos sanitários, além de inovação para os tratamentos, desde tratamentos terapêuticos, como é o foco da startup ODAPP, focada no tratamento do espectro autista, quanto tratamentos clínicos, como é o caso da startup Fix It, focada em tratamento ortopédico.

 

Por fim e não menos importante, como já dissemos anteriormente a Telemedicina, com a Regulamentação do serviço podemos afirmar que atender pacientes por chamadas de vídeos veio para ficar. O ano de 2022 pode marcar ainda a primeira Unicórnio brasileira em saúde com a Alice liderando a corrida, de acordo com o relatório do Distrito.

Especialistas:

Maria Eduarda Starling

Maria Eduarda Starling

diego

Diego Queirantes

/ Recentes

/ Imprensa

Podcast
/ Eventos

Próximas participações

09, novembro 2022.
Evento para convidados apenas para debater as perspectivas econômicas.

Últimas participações

20, setembro 2022.
Workshop sobre contratos de investimento para startups
08, julho 2022.
Palestra sobre fundraising no programa de inovação do Dabi Business Park para startups
07, julho 2022.
Mentoria Estratégia de investimento e M&A para empresas e startups
21, junho 2022.
Movimento para trazer Ribeirão Preto como centro financeiro
09, junho 2022.
Palestra sobre fusões e aquisições de empresas e suas aplicações práticas em FP&A
13, abril 2022.
Palestra sobre estratégias de fusões & aquisições para startups

E-book de M&A

Baixe nosso e-book de Fusões e Aquisições

ebook-Fusoes-e-aquisicoes-2
Valore_FaleEspecialista-v2

Fale com nossos especialistas

Procurando soluções inteligentes para seu negócio?

Vamos conversar.

Entre em contato conosco 0800 742 4210

Dúvidas e Contato Comercial comercial@vaorebrasil.com.br

SÃO PAULO | SP Rua Funchal 418 - Edifício E-Tower, 34º e 35º andares - Vila Olímpia

CAMPINAS | SP Av. Dr. José Bonifácio Coutinho Nogueira, 150 Térreo Cj. 2 | Galleria Plaza

GOIÂNIA | GO Av. Dep. Jamel Cecílio, 3455 Ed. Flamboyant Park Business - 26º Andar - Sala 2610

RIBEIRÃO PRETO | SP Av. Presidente Vargas, 2121 - Sala 908 Ed. Times Square Business | Jd América

Assine a #ValoreInsights

Assine nossa newsletter e tenha em mãos as principais informações para te apoiar em decisões inteligentes

2022 Valore Brasil Ltda.

Todos os direitos reservados.